O quarentão mais fiel do futebol

totti-roma

Lenda da Roma, do futebol italiano e do futebol mundial, Francesco Totti faz esta terça-feira 40 anos. O médio está a cumprir a 25.ª época na equipa principal do clube romano, à qual chegou em 1992. A esse tempo têm de ser somados os anos em que esteve na formação do clube [pelo menos cinco] e, assim, a ligação de Totti à Roma ascende a 30 anos.

Chegou muito jovem à equipa principal, com 16 anos, mas, nas primeiras épocas, não teve a importância que viria a adquirir, tendo estado em cima da mesa, inclusivamente, a possibilidade de ser emprestado à Sampdória, em Janeiro de 1997, por não ser opção para o então técnico Carlos Bianchi. O presidente Franco Sensi impediu o empréstimo e quem acabou por sair foi o treinador.

O FACEBOOK APAGOU A PÁGINA ORIGINAL D’O HOMEM INVISÍVEL. SEJA FÃ DA NOVA PÁGINA AQUI

Com Zdenek Zeman tudo foi diferente. Totti amadureceu e tornou-se de tal maneira preponderante na manobra da equipa que, ainda em 1997, viu-lhe ser atribuída a camisola 10. A personalidade forte dentro e fora dos relvados foi-lhe reconhecida e, um ano depois, passou a ser o capitão. Tinha 22 anos.

Totti fazia sucesso enquanto jogador, ganhava prémios individuais, mas faltava-lhe ganhar o título italiano, o que aconteceria na época 2000-01, sob orientação de Fabio Capello. Foi apenas o terceiro título de campeão italiano da história da Roma e o médio foi importante no duplo papel de criativo e de matador, marcando 13 golos.

Daí para cá nunca mais Totti se sagrou campeão de Itália, mas foi cimentando, ao longo dos anos, o estatuto de lenda. Em 2004, por exemplo, tornou-se no melhor marcador de sempre da Roma na Série A, com 107 golos. Com o passar dos anos, foi lentamente, passando de médio criativo a avançado [um falso 9] mas não perdeu importância, tendo feito a melhor época da carreira em 2006-07, marcando 26 golos e recebendo a Bota de Ouro.

Em 2008, chegou aos 500 jogos oficiais pela Roma e, com a conquista da Taça de Itália no mesmo ano, tornou-se no capitão mais titulado da história do clube. Continuou a jogar, a bater recordes, até que, no ano passado se lesionou, ficou de fora três meses e, quando regressou, com 39 anos, percebeu que tinha perdido a titularidade. Hoje, pode-se dizer que Totti é um suplente, mas de luxo. Nos últimos 13 jogos, partindo do banco na maior parte das vezes, conta com um registo de seis golos e cinco assistências.

A história de Totti confunde-se com a história da Roma. Não é por acaso que o clube já manifestou vontade de retirar a camisola 10 quando o jogador pendurar as chuteiras. Só não se sabe quando isso acontecerá. Se decidir jogar mais uma época, baterá o recorde de maior número de épocas na Série A, pertença de Paolo Maldini, que também jogou 25 temporadas no Milan.

“Muita gente me pergunta porque passei toda a minha vida na Roma. Para mim, a Roma é a minha família. Para mim, a Roma é o mundo. Este clube e esta cidade foram a minha vida. E vão ser sempre”, afirmou, em Agosto último.

Comentar

Comentários